Previsões para educação em 2022: tendências e impactos da pandemia

YURI MARQUES UNIVERSO PEDAGÓGICO 21 DE DEZEMBRO DE 2021






As previsões para educação em 2022 são motivo de análise e reflexões para os estudiosos da área. Isso porque os impactos gerados pela pandemia ainda interferem no cotidiano das escolas e geram desafios grandiosos para pais, professores, diretores e equipes pedagógicas.

Embora a vacinação esteja caminhando em boa parte dos estados, as previsões para educação em 2022 ainda são marcadas por incertezas, em função da COVID-19. O diretor médico de pesquisa clínica do Instituto Butantan, Ricardo Palácios, afirmou em entrevista ao Portal Poder 360 que a pandemia ainda deve se estender por mais um ou dois anos.

“A gente tem que entender que esse vírus veio para ficar. E, como acontece com a influenza [vírus da gripe], nós vamos ter que aprender a conviver com ele”

Ricardo Palácios

Essa previsão foi feita com base no surgimento das variantes do vírus, que podem dificultar o processo de imunização completa da população e impactar no retorno totalmente presencial às aulas nas escolas públicas e privadas do país.

Futuro do ensino precisará de adaptação

É importante ressaltar que, na visão do especialista, o avanço das pesquisas científicas é um ponto extremamente positivo para o combate à Covid-19.

Certamente, a sociedade como um todo ainda vai enfrentar medidas de flexibilização ao longo dos meses. Porém, com o avanço da vacinação, a expectativa é que as restrições sejam menos severas em 2022.

Nesse sentido, podemos afirmar que o que escolas e alunos vão precisar é de adaptação e conscientização. Por isso, para auxiliá-los, separamos as tendências para o futuro da educação.

Quais são as previsões para a educação em 2022?

Iniciar o planejamento de um novo ano pedagógico é uma tarefa que exige integração, responsabilidade, conhecimento e estratégias. Em tempos de ensino remoto, as tendências e previsões para o ensino no Brasil em 2022 devem ser pensadas o quanto antes.

É evidente que, muito mais do que desafios e resiliência, a pandemia também trouxe novos ensinamentos para professores e escolas. Certamente, as dificuldades vividas entre 2020 e 2021 se tornaram base para um trabalho pedagógico cada vez mais estruturado e seguro. Exemplo disso é a transformação digital, que se intensificou na pandemia, abrindo novas possibilidades para o ensino a distância e para a interação entre alunos, pais e professores.

Nesse contexto, a adesão às novas tecnologias continuará fazendo parte do cenário educacional no próximo ano. Principalmente com a implantação do Novo Ensino Médio e as mudanças na dinâmica de formação dos alunos.

O que alunos, pais e professores podem esperar do ensino em 2022? Sem dúvidas, as ferramentas digitais serão protagonistas nos processos de aprendizagem. Mesmo com o controle da pandemia, a expectativa é que o ensino híbrido faça parte do cotidiano das escolas.

Para que este novo formato de ensino alcance bons resultados, é fundamental utilizar a internet para potencializar as aulas. Dessa forma, elas ficam mais atrativas, dinâmicas e interessantes para os alunos.

Algumas iniciativas interessantes para trabalhar nas aulas híbridas são:

  • Uso de celulares, computadores e tablets para atividades extras.

  • Gamificação no ensino para estimular a competição saudável entre alunos.

  • Novas dinâmicas na elaboração de trabalhos e atividades pedagógicas.

  • Acompanhamento individual para alunos.

  • Mentoria a distância em diferentes disciplinas.

  • Conteúdo personalizado.

  • Uso da tecnologia na grade escolar.

  • Mais possibilidades de integração entre família e escola.

Como as escolas podem ter mais eficiência e novos resultados em 2022? Em outras palavras, o ensino híbrido a partir de 2022 não deve se resumir em dividir as aulas entre grupos presenciais e online.

Muito mais do que isso, este modelo precisa ser pensado com ações para estimular:

  • Mais engajamento e motivação entre os alunos.

  • Incentivo à criatividade de crianças e adolescentes.

  • Participação ativa dos alunos nas aulas.

  • Abertura às novas formas de interação.

  • Novos métodos de ensino dentro e fora das salas de aula.

  • Atividades que despertem novas habilidades e interesses.

O resultado disso no futuro será indivíduos muito mais preparados para a vida adulta e prontos para as demandas do mercado de trabalho.

Além disso, a adoção do ensino a distância nas escolas também permitirá o intercâmbio cultural e o fim das barreiras físicas. Isso é possível uma vez que as vagas poderão ser abertas para pessoas de diferentes cidades do Brasil.

Olhar atento para o futuro

Outro ponto importante que as escolas devem priorizar em 2022 para garantir um futuro promissor da educação é a capacitação do seu time de professores.

Ou seja, as instituições de ensino precisam investir em novas tecnologias para as aulas, mas também capacitar os docentes e gestores para lidarem com as inovações.

Para manter-se atualizado, faça parte da maior comunidade de gestores escolares do Brasil. Entre para o Clube dos Diretores e tenha acesso a mais de 40 horas de videoaulas com os maiores especialistas em educação do Brasil.

Publicado em: Universo pedagógico

Fonte: https://www.melhorescola.com.br/blog/previsoes-para-educacao-em-2022/


66 visualizações2 comentários