SP abre pesquisa na rede municipal para saber quantos alunos voltarão às aulas presenciais



A Prefeitura de São Paulo abriu uma pesquisa para saber quantos estudantes pretendem voltar às atividades da rede municipal de forma presencial. A medida, segundo a gestão Bruno Covas (PSDB), acontece para que a retomada seja feita de forma segura para alunos e professores.


Na capital paulista, as aulas presenciais regulares da rede municipal serão retomadas no dia 15 de fevereiro. Nesta etapa, deve ser respeitado o limite de ocupação de 35% das escolas. O retorno presencial é facultativo aos estudantes —as famílias que optarem por não enviar os filhos neste momento devem obrigatoriamente manter as atividades de forma remota A pesquisa foi aberta no último dia 26 de janeiro e deve ser respondida pelos pais ou responsáveis dos alunos no site da Secretaria Municipal de Educação até o dia 5 de fevereiro. Para alunos de creches conveniadas, o prazo vai até 9 de fevereiro. Se houver mais de um estudante da rede municipal por família, cada formulário deve ser preenchido individualmente para cada estudante.


Na educação infantil, como forma de "preservar o vínculo do aluno com a escola" e trazer uma "melhor adaptação" para o estudante, não será feito revezamento entre os alunos. Por isso, segundo a Prefeitura, o resultado da pesquisa será utilizado para, no caso de ser atingido o limite de 35% dos alunos (na atual fase de restrição em que a capital paulista está inserida este é o limite máximo de ocupação de salas de aula), sejam priorizadas as crianças de maior idade, irmãos matriculados na mesma unidade e crianças em situação de vulnerabilidade.


Nos ensinos fundamental e médio, o revezamento será permitido. Para esse grupo, segundo a Prefeitura, a prioridade será dada aos estudantes que não acessaram as plataformas digitais no ano de 2020 e aqueles que possuem histórico de baixo rendimento escolar.


Já os pais que optarem pela manutenção do ensino remoto devem, obrigatoriamente, manter a realização das atividades em casa, pelos meios indicados pela escola, que podem incluir a retirada de material impresso no colégio. Professores e profissionais da educação que façam parte dos seguintes grupos de risco devem apresentar atestado ou laudo médico, justificando a necessidade de manter o trabalho remoto até 31 de Março.


De acordo com a Prefeitura, são consideradas comorbidades as seguintes doenças:

  • Diabetes mellitus;

  • Hipertensão arterial grave;

  • Doença pulmonar obstrutiva crônica;

  • Doença renal;

  • Doenças cardiovasculares ou cérebro vasculares;

  • Indivíduos transplantados de órgão sólido;

  • Anemia falciforme;

  • Câncer;

  • Obesidade grave (IMC>40)

Para maiores informações, acesse o site da Secretaria Municipal da Educação de São Paulo


Seja um(a) colaborador(a) do Blog SBS! Se você é profissional da área da Educação e deseja colaborar com o nosso blog, envie um de seus artigos para nós através do e-mail mkt.estrategicosbs@sbs.com.br com o assunto "Artigo Blog" e publicaremos aqui

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo